Demonstração de força esquiva presidente de agir ante crise sanitária

0

Por Rogério do Nascimento Carvalho

Recentes movimentos palacianos indicam o recrudescimento de ataque às instituições democráticas como forma de encobrir o fracasso latente no combate à Covid-19 no território nacional.

Acuado por decisões dos demais entes federativos, que paulatinamente restringem o campo de atuação do executivo federal, Bolsonaro busca construir narrativa intervencionista nos ministérios como forma de desviar a atenção popular. Desta forma, tenta recompor a base de apoio que se encontra fragilizada.

Com isso, a utilização de retórica ao estabelecer conflitos é o modo pelo qual ataca valores democráticos, excluindo exercício regular da cidadania pela população. Atualmente milhões de brasileiros convivem com o caos na saúde, com imprecisão numérica sobre o avanço da pandemia que motivou o presidente a fomentar invasões a centros hospitalares com intuito de fiscalizar a ocupação de leitos, promovendo a anarquia ao invés de promover o repasse e que se encontra contingenciada, com baixa execução. Ou seja, o dinheiro não chega na hora adequada, o que compromete a eficácia do combate à pandemia.

Diante deste cenário, resta a Bolsonaro minar o esforço de governadores e prefeitos ressignificando valores. A pressão pela reabertura econômica ganha fôlego e mostra a guinada que os negócios privados impõem sobre o público. A flexibilização da quarentena possui requisitos de crueldade com a cidadania, pois está mal estruturada e padece de justificativa plausível para sua validade. Sem apoio da ciência e dos órgãos sanitários, há de aguardar pelo caos com aumento exponencial de mortos e infectados.

O discurso do mandatário vai de encontro ao distanciamento social, única saída capaz de preservar o sistema de saúde. De toda sorte, aponta-se na atual conjuntura que a edição de normas inconstitucionais tem o fito de vitimizar o presidente, mas na verdade coloca o país em rota a atingir a triste marca de suplantar os Estados Unidos na liderança global de mortos e infectados pela Covid-19. E agora, Bolsonaro, o que fazer?

AUTOR: Rogério do Nascimento Carvalho – advogado, pesquisador de conflitos armados, doutorando no Programa de Integração da América Latina da Universidade de São Paulo (USP). e-mail: rogerionascimento@usp.br

Leave A Reply